Como você tem buscado momentos “flow” em seu trabalho?

Em 1970 o psicólogo húngaro-americano Mihaly Csikszentmihalyi desenvolveu um interessante indicador de satisfação ou felicidade que ele chamou de “flow”. De acordo com seus estudos, a pessoa que passa pela experiência do “flow” fica completamente e inconscientemente absorta em uma determinada atividade que nada mais parece importar naquele momento.

Estudando o trabalho dos cirurgiões, Mihaly descobriu que 80% desses profissionais perdem a noção do tempo quando estão realizando uma cirurgia porque a motivação e o engajamento deles estão intrínsecos.

A boa notícia é que este sentimento não está destinado apenas às atividades de um cirurgião. Qualquer profissional pode se sentir tão realizado durante o seu trabalho a ponto de pensar: “nossa, nem percebi o tempo passar, o dia foi realmente produtivo!”.

Mas para que isso aconteça, pelo menos 3 coisas têm que funcionar com perfeição:

1) Termos clareza daquilo que precisamos realizar no dia a dia no trabalho – a tão importante definição de metas;

2) Usarmos todo o nosso potencial, criatividade e conhecimento – desta forma nos sentimos mais confiantes de que teremos um resultado positivo;

3) Percebermos quase de imediato o impacto ou o resultado das nossas ações.

Quando isso acontece, ficamos tão motivados a ponto de buscarmos novas ferramentas para nos superarmos diariamente.

Agora, pare e pense sobre sua situação atual. Quantas vezes em seu trabalho você já passou pela experiência do “flow”? Como anda a sua motivação durante a realização das suas atividades? Você tem usado todo o seu potencial? Você consegue ver o resultado prático das suas ações?

E a sua empresa? Esta também tem grande responsabilidade neste processo, colocando as pessoas certas nas tarefas certas, oferecendo-lhes atividades desafiadoras em que elas possam usar todo o seu potencial e, na medida do possível, dar foco aos aspectos criativos do trabalho – fazendo com que seus funcionários “pensem fora da caixa”.

Deixe-me contar um exemplo prático de como o “flow” acontece e como as pessoas devem buscá-lo em sua empresa.

Quando viajei para Londres, tinha o costume de tomar café na mesma loja pela manhã. O atendimento sempre foi razoável. Eu pagava a minha bebida, recebia a mercadoria no balcão e sentava em uma das mesas disponíveis. Tudo era muito eficiente, mas pouco caloroso se compararmos com alguns atendimentos no Brasil.

Um dia, assim que cheguei à loja, notei que a atmosfera estava diferente. Não consegui perceber de imediato o que era, mas tinha algo no ar muito melhor do que os outros dias. Do balcão um atendente extremamente motivado veio falar comigo, perguntando quantas vezes eu frequentava a loja e qual era a minha bebida favorita. Logo pensei: “esse deve ser o gerente”.No terceiro dia, este atendente já sabia o meu nome e a bebida que eu tomava.

Muito impressionada em como uma pessoa pôde mudar todo o clima de uma loja, perguntei se ele era o gerente. E, para a minha surpresa, recebi a seguinte resposta:

-” Não! Até que eu gostaria e muito. Quem sabe um dia! Eu trabalhava na cozinha, ajudando na limpeza. Mas o que eu sempre quis foi trabalhar com os clientes. Eu sou muito comunicativo e tenho boa memória para guardar nomes. Sempre soube que o meu lugar não era na cozinha. Mas todo mundo precisa começar em algum lugar.”

E eu perguntei: “Como você fez para mudar de posição? Foi difícil?” E ele me respondeu:

– “Na verdade ainda não mudei. Estou em período de experiência. Tive coragem e fui conversar com o meu gerente. Pedi a ele que me desse uma chance como atendente por um mês. O meu salário ainda é o mesmo como ajudante na limpeza, mas se gostarem do meu trabalho neste período, serei promovido e poderei fazer o que mais gosto.”

No mesmo dia enviei um e-mail para o gerente deste funcionário, elogiando não só o seu atendimento, mas à flexibilidade da empresa com relação a este processo, afinal de contas, quantas companhias você conhece que permitem que os seus colaboradores troquem de posição para tentar algo mais desafiador ou algo em que eles possam usar todo o seu potencial?

E quantas pessoas você conhece que têm a coragem de arriscar a sua posição atual para algo mais desafiador a fim de serem mais felizes em seu trabalho e terem momentos “flow” durante o dia?

Acredite, mas na maioria das vezes, buscar a tão sonhada satisfação profissional está em nossas mãos.

Como você tem buscado momentos “flow” em seu trabalho?

0 interações

Deixe seu comentário

Quer compartilhar suas ideias?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *